terça-feira, 15 de janeiro de 2013

A verdade é que...

"...não amamos quem queremos, como queremos e porque queremos. Amamos como podemos, e muitas vezes contra a nossa vontade, remando contra todas as marés, envoltos no mistério de uma escolha que não é feita por nós, mas por uma força que nos é superior à qual os místicos chamam destino, os cientistas chamam química e os portugueses chamam fado. Quando olhamos para o lado e pensamos ‘mas afinal porque é que eu gosto tanto desta pessoa’ e nos apercebemos que esse amor encerra um mistério inexplicável, então é porque existe mesmo amor.” MRP

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixa aqui a tua opinião.
Prometo responder com a maior brevidade!

Ocorreu um erro neste dispositivo